OAB-PE pede que aluna gaúcha responda por racismo POSTADO ÀS 09:30 EM 13 DE DEZEMBRO DE 2011

A Ordem dos Advogados do Brasil em Pernambuco (OAB-PE) pediu ontem ao Ministério Público Federal do Rio Grande do Sul (MPF-RS) que a estudante Sophia Fernandes, acusada de postar no Twitter, no dia 9, mensagens contra os nordestinos, responda pelo crime de racismo. Segundo a OAB, as declarações violam o princípio constitucional da dignidade da pessoa humana.

Entre as mensagens postadas pela estudante estão: "o twitter ta virando vaso sanitário... muita merda twittando. (Oimacacos) - nordestinos-piauienses-cearenses..."; "Sai do Twitter e vai cortar tua cana pra comprar teu arroz NORDESTINO"; "Tem que usar câmara de gás pra matar teu povo"; "O Nordestino é a própria sujeira".

O presidente da OAB-PE, Henrique Mariano, destacou que o crime de racismo é inafiançável e prevê pena de dois a cinco anos de reclusão, além de multa. "Sophia que não conte com a impunidade para esse ato de desatino, próprio de pessoas ignorantes."

Outro caso. Mariano lembrou que, em novembro de 2010, a estudante de Direito Mayara Petruso, de São Paulo - uma das responsáveis pela onda de manifestações preconceituosas contra nordestinos surgida na internet após o anúncio da vitória de Dilma Rousseff nas eleições presidenciais -, responde hoje a uma ação penal pública na Justiça Federal de São Paulo, que está em fase de instrução.

"Nordestino não é gente, faça um favor a São Paulo, mate um nordestino afogado", dizia a mensagem postada por Mayara Petruso no Twitter. A OAB-PE ofereceu notícia-crime contra Mayara ao Ministério Público Federal de São Paulo, que a denunciou pelo crime de racismo.

SHENIA SANTOS

PARABÉNS FREIRE!!!!!!

Hoje se Paulo Freire estivesse vivo completaria 90 anos de existência, mas suas obras ficaram e mais ainda a consciência de que uma educação para todos e todas é possível. Cabe a nós, educadoras e educadores fazer valer suas teorias e não apenas retirar nossa parcela de culpa e colocar no governo. Uma boa estrutura física,materias didáticos ajudam e muito na construção do saber, mas não passa de meros materiais. Freire atuou em meio à escassez, junto dos considerados excluídos sociais e mesmo assim formou seres críticos e reflexivos, nós vivemos um avanço comparado a sua época e tudo o que fazemos é jogar a culpa da nossa ausência de autonomia no sistema.

O aniversário é dele,mas o presente é nosso....
Parabéns a todos e todas que lutam por uma educação inclusiva e de qualidade!!!!!


Almerinda Araújo.

Essa história também demosntra "o acretidar no educando"!! tanbém retirado do blog da professora Rita Alonso

Postado em 1 de setembro de 2011 · por Profª. Rita Alonso - a Toques Motivacional · 
 
Um menino, parcialmente surdo, retornou um dia da escola trazendo uma nota dos diretores. A mensagem sugeria aos pais que o retirassem da escola porque ele era “muito estúpido para aprender alguma coisa.” A mãe, ao ler a nota, disse:
“Meu filho Tom não é estúpido e incapaz de aprender. Eu mesma o ensinarei.” E foi isso que fez. Quando Tom morreu, muitos anos mais tarde, todas as pessoas dos Estados Unidos lhe reverenciaram, desligando as luzes do país por um minuto. Este Tom inventou a lâmpada elétrica e não apenas isto, mas também o filme cinematográfico e o toca-discos. Ao todo ele teve a seu crédito, mais de mil patentes. Assim como Thomas Edison, toda pessoa, criança ou adulta, é capaz de saber mais do que sabe hoje. Todos poderão encontrar um caminho para expressar sua criatividade.
Mostramo-nos, muitas vezes, abatidos e infelizes quando nos tratam de maneira depreciativa. Uma palavra de menosprezo, um comentário negativo, um olhar de indiferença e logo nos sentimos a menor das criaturas. Passamos a acreditar que somos incapazes, que nada do que fazemos dá certo, que nascemos para ser derrotados.
Não, isso não é verdade! Podemos, sim, conquistar nossos ideais e realizar os nossos sonhos. Basta tão somente crer que com dedicação e trabalho chegaremos lá. Temos um companheiro de jornada — o nosso Deus. Ele estará sempre ao nosso lado, incentivando, ajudando, repetindo a cada obstáculo encontrado: “Tudo é possível ao que crê.”
Se você já fez uma tentativa e não conseguiu, tente novamente. Se já tropeçou em uma pedra de desânimo, levante e siga em frente, a vitória é e sempre será sua.
Sua perseverança poderá mudar não apenas a sua vida, mas todo o mundo ao seu redor.
Paulo Roberto Barbosa

Rosana Santos

tirado bolg da prof° Rita alonso. É imporatnte o pedagogo(a) acreditar no educando!!!!

Você Considera Fácil A Arte De Educar Os Filhos?

Postado em 30 de agosto de 2011 · por Profª. Rita Alonso - a Toques Motivacional ·  


Esta é uma das tantas histórias de pais que se debatem com filhos preguiçosos ou desanimados.
Certa tarde o paizão saiu para um passeio com as duas filhas, uma de oito e a outra de quatro anos. Em determinado momento da caminhada, Helena, a filha mais nova, pediu ao pai que a carregasse, pois estava muito cansada para continuar andando. O pai respondeu que estava também muito fatigado, e diante da resposta a garotinha começou a choramingar e fazer “corpo mole”.
Sem dizer uma só palavra, o pai cortou um pequeno galho de árvore e o entregou à Helena dizendo:
Olhe aqui um cavalinho para você montar, filha! Ele irá ajudá-la a seguir em frente.
A menina parou de chorar e pôs-se a cavalgar o galho verde tão rápido, que chegou em casa antes dos outros. Ficou tão encantada com seu cavalo de pau, que foi difícil fazê-la parar de galopar.
A irmã mais velha ficou intrigada com o que viu e perguntou ao pai como entender a atitude de Helena.
O pai riu e respondeu dizendo: – Assim é a vida, minha filha. Às vezes a gente está física e mentalmente cansado, certo de que é impossível continuar. Mas encontramos então um “cavalinho” qualquer que nos dá ânimo outra vez. Esse cavalinho pode ser um bom livro, um amigo, uma canção… Assim, quando você se sentir cansada ou desanimada, lembre-se de que sempre haverá um “cavalinho” para cada momento, e nunca se deixe levar pela preguiça ou o desânimo.A educação é uma arte e, como tal, necessita de sensibilidade e dedicação por parte de quem educa. Medidas singelas podem dar resultados excelentes quando movidas pelo amor legítimo e a vontade sincera de fazer crescer espiritualmente o educando.
Ao contrário do que se pensa, as crianças são maleáveis aos ensinos que lhe são ministrados, desde que sintam, juntamente com a teoria, as manifestações de afeto e carinho por parte dos educadores.


Rosana dos Santos

Ser Pedagogo...

Ser Pedagogo não é apenas ser Professora, Mestre, Tia, Coordenadora, Supervisora, Orientadora, Dona de escola.
É mais do que isso
É ser Responsável.
Ser Pedagogo é ter coragem de enfrentar uma sociedade deturpada, equivocada sem valores morais nem princípios.
Ser Pedagogo é ser valente, pois sabemos das dificuldades que temos em nossa profissão em nosso dia a dia.
Ser Pedagogo é saber conhecer seu caminho, sua meta, e saber atingir seus objetivos.
Ser Pedagogo é saber lidar com o diferente, sem preconceitos, sem distinção de cor, raça, sexo ou religião.
Ser Pedagogo é ter uma responsabilidade muito grande
nas mãos.
Talvez até mesmo o futuro...
Nas mãos de um Pedagogo concentra- se o futuro de muitos médicos, dentistas, farmacêuticos, engenheiros, advogados, jornalistas, publicitários ou qualquer outra profissão...
Ser Pedagogo é ser responsável pela vida, pelo caminho de cada um destes profissionais que hoje na faculdade e na sociedade nem se quer lembram que um dia passaram pelas mãos de um Pedagogo.
Ser Pedagogo é ser mais que profissional, é ser alguém que acredita na sociedade, no mundo, na vida.
Ser Pedagogo não é fácil, requer dedicação, confiança e perseverança.
Hoje em dia ser Pedagogo em uma sociedade tão competitiva e consumista
não torna-se uma profissão muito atraente, e realmente não é.
Pois os valores, as crenças, os princípios, os desejos estão aquém do intelecto humano.
Hoje a sociedade globalizada está muito voltada para a vida materialista.
As pessoas perderam- se no caminho da dignidade e optaram pelo atalho da competitividade,
é triste pensar assim, muito triste
pois este é o mundo dos nossos filhos
crianças que irão crescer e tornar- se adultos.
Adultos em um mundo muito poluído de idéias e sentimentos sem razão.
Adultos que não sabem o que realmente são
Alienados, com interesses voltados apenas pelo Ter e não pelo Ser.
Ser Pedagogo é ter a missão de mudar não uma Educação retorcida, mas ser capaz de transformar a sociedade que ainda está por vir.
Pode ser ideologia pensar assim, mas como Pedagogos temos a capacidade de plantar hoje nesta sociedade tão carente de valores, sementes que um dia irão florescer.
E quem sabe essa mesma sociedade que hoje é tão infértil possa colher os frutos que só a Pedagogia pode dar.

Ser Pedagogo por

O que sou?

O que sou?
eu sou menina
menina de rua
de rua sim
porque fui abandonada
por meus pais
pela sociedade
pelo meu país
cheiro cola
porque?
porque sinto fome
porque quero me
enganar e esquecer
sobre a realidade.
quero por algum
tempo sonhar
e me imaginar
num mundo que
eu seja vista
como Ana
e não como
a menina de rua
Ana é meu nome de rua
é meu nome de guerra
guerra que travo todos os dias.



Thamires Assunção
dia 16/06/2011, foi escrito ao ver pelo ônibus crianças cheirando cola e sozinhas.

Somos tantos no meio de poucos com sentimentos.

Estou espalhado em cada esquina,
beco, calçada.
meu territorio é livre
independe das barreiras geográficas,
sendo apenas separado pelos muros simbolicos
causados pelo preconceito e exclusão
Quem sou?
Trombadinha,menor,pivete,pirralho..
O meio me batizou,
Me criei
sem nem ao menos ter a noção da minha identidade.
Na minha cultura tenho um nome próprio,mas que de nada serve
se a sociedade só aceita uma identidade de papel.

Autora: Almerinda Araújo.
Escrito em: Junho de 2011.

Entrem no nosso(meu e de Thamires) blog: http://www.sociedadepoetaspoetisasanonimos.blogspot.com/

Brincar, educar e cuidar...



Oie gente aqui estou eu postando um vídeo sobre a importância do brincar na educação infantil.
Em concordancia com Almerinda "não deixemos esse blog virar um lixo virtual"

Rosiane Alves

:): Polêmicas: O MEC, o livro e a (D)ramática da impre...

:): Polêmicas: O MEC, o livro e a (D)ramática da impre...: "“E deixa os portugais morrerem à míngua... Minha pátria é minha língua. Fala Mangueira...” Surpreendentemente, ainda me espanto ou co..."

:): Polêmicas: O MEC, o livro e a (D)ramática da impre...

:): Polêmicas: O MEC, o livro e a (D)ramática da impre...: "“E deixa os portugais morrerem à míngua... Minha pátria é minha língua. Fala Mangueira...” Surpreendentemente, ainda me espanto ou co..."

No meio do caminho


No meio do caminho tinha uma pedra


Tinha um pedra no meio do caminho


Tinha uma pedra


No meio do caminho tinha uma pedra


Nunca me esquecerei desse acontecimento


Na vida de minhas retinas tão fatigadas


Nunca me esquecerei que no meio do caminho


Tinha uma pedra


Tinha uma peda no meio do caminho


No meio do caminho tinha uma pedra.


CARLOS DRUMOND DE ANDRADE "Bom para uma pausa,chamar a atenção,introduzir uma analise das dificuldades encontradas no fezer.Assimfoi usadoeste poema no Projeto Letramento Digital,destao apessoas com dificuldades de leitura e escrita. ( JANIZE )

PRATICANDO VYGOTSKY 1 E 2

GENTE, É UMA PENA QUE O VÍDEO NÃO ESTEJA APARECENDO AQUI, POIS ELE FOI BLOQUEADO, MAS É POSSÍVEL VÊ-LO NO YOUTUBE.
Por favor deem uma conferida :)

http://www.youtube.com/watch?v=Io7voVZX2kU&feature=player_embedded#at=48

http://www.youtube.com/watch?v=o4y9itWC-60&feature=player_embedded



Rachel Caroline

Recebi um aluno surdo. E agora?

Peça ajuda. Esse é o conselho da professora livre-docente Roseli Baumel, da Faculdade de Educação da USP. Confira quem pode apoiá-lo.

FamíliaA participação da família ajuda em qualquer caso, mas, se o aluno é surdo, a conversa precisa ser mais constante e aprofundada. Descubra como é a comunicação em casa, desde a linguagem utilizada até o que mais chama a atenção da criança.
Entidades
Procure apoio em uma instituição que atenda os deficientes, como o Instituto Nacional de Educação de Surdos (Ines), no Rio de Janeiro. Muitos oferecem aulas de libras e dicionários da língua e auxiliam na escolha de materiais para facilitar o aprendizado. Enquanto a escola não tem sala de apoio, algumas ONGs podem dar aulas de libras e reforço às crianças no contraturno.
Professores
Converse com outros docentes do aluno, de disciplinas diferentes ou anos anteriores. Procure repetir experiências de sucesso e pergunte também o que não funcionou para evitar os mesmos erros. Busque exemplos em outras unidades de ensino. "É preciso debater o ensino, fazer encontros e trocar informações", diz Roseli.
Governo
Os alunos têm direito a um intérprete, e a escola, a materiais apropriados e a uma sala multidisciplinar. O governo também deve oferecer cursos de libras para os professores. As aulas devem ser dadas em faculdades que fazem convênio com o Ministério da Educação. Além disso, unidades com mais de 100 alunos podem pedir recursos para a montagem de uma sala de apoio pelo Programa Escola Acessível. Informações podem ser obtidas pelo telefone (61) 2104 -9258/ 2104-8651.

Fonte:http://revistaescola.abril.com.br/inclusao/educacao-especial/recebi-aluno-surdo-agora-inclusao-602191.shtml

Rosana dos Santos e Juliana Cardoso

Polêmicas: O MEC, o livro e a (D)ramática da imprensa brasileira


“E deixa os portugais morrerem à míngua... Minha pátria é minha língua. Fala Mangueira...”
Surpreendentemente, ainda me espanto ou com a ignorância ou com a leviandade da grande mídia brasileira, não sei dizer qual o caso, não sei dizer o pior. A “abordagem” dada à leitura do livro didático que, na última semana, foi execrado em cadeia nacional por um grande telejornal pode indicar duas coisas:

(1) o total desconhecimento de qualquer discussão lingüística que tenha sido realizada em meio acadêmico nos últimos 60 anos (jornalistas fazem faculdade, não?) somado a uma preguiça generalizadora de ao menos tentar realizar uma leitura crítica que ultrapasse meia página descontextualizada de livro;

(2) a edição de falas e imagens, com vistas à manipulação da informação para indução da opinião pública, de acordo com os interesses políticos e/ou de ocasião do(s) grupo(s) que detém o poder de enunciar para milhões de brasileiros.


Ou acredito que tanta ortodoxia é fruto da ignorância (leia-se: falta de conhecimento); ou acredito que é apenas máscara para interesses escusos. Explico. E sugiro.

SOBRE AQUELES DO GRUPO(1):

Há pelo menos 15 anos os livros didáticos já incorporam a necessidade de um ensino plural, que considere o falante em sua totalidade, que não valorize o decoreba, a nomenclatura pela nomenclatura (leia-se: metalinguagem), que desenvolva competências e habilidades, em vez de um conhecimento descontextualizado e enciclopédico. Na universidade, já se diz isso há uns 30. Quando estava na graduação, li um texto escrito pelo professor Wanderley Geraldi em 1984, que já propunha em detalhes uma reformulação das bases curriculares como conhecíamos, reformulação que culminou com a publicação dos Parâmetros Curriculares Nacionais em 1997. Ou a imprensa está MUITOOOO atrasada, ou simplesmente tem preguiça de ler. As primeiras publicações da Sociolinguística (área de estudos da linguagem que considera cientificamente as variações) são dos anos 60!

E que fique claro:
Nenhum cientista da linguagem, nenhum professor linguisticamente esclarecido JAMAIS proferiu ou proferirá essas palavras: “Podem usar qualquer palavra, frase, porque agora vale qualquer coisa”, como cheguei a ler por aí. A discussão que se faz é a de que a Gramática Normativa é sim um instrumento de exclusão e de poder, que as diferenças são muito mais sociais do que linguísticas, já que “UMA VARIEDADE DE LÍNGUA VALE O QUE VALEM SEUS FALANTES”, como já disse em 1988 (!) Maurício Gnerre. Nessa direção, uma pessoa que pronuncia a palavra “para”, realizando a contração e produzindo foneticamente “pra”, certamente não sofrerá a estigmatização que recairá sobre outra que, ao utilizar a palavra “árvore”, produza foneticamente “arvri”. Linguisticamente, o fenômeno é um só: houve uma queda de vogal no meio da palavra; socialmente, não. Socialmente, atribuímos valores distintos a cada um dos falantes, já que quem pronuncia “arvri” demonstra ser de uma classe economicamente desfavorecida que não teve acesso à escola, ao contrário de quem pronuncia “pra”. (A propósito, eu tenho doutorado e pronuncio “pra”).
A discussão do livro nunca foi “então vamos oficializar o oba, oba, agora vale qualquer coisa”. Não é nada disso. Faz parte do papel do professor de português oferecer a seus alunos a norma gramatical que permitirá que participem linguisticamente de ambientes diversos e situações múltiplas. Mas o professor que não considera (ou que trata com ironia ou escárnio) as variações dos alunos em aula "assassina" sua autoestima e contribui para que eles saiam da escola. Esse professor presta um desserviço à Educação e a seu país, como prestou a referida reportagem no canal de TV.

Sugestão-recado ao grupo (1): “O preconceito linguístico”, de Marcos Bagno. Livrinho de linguagem super clara, para qualquer área. Não custa 20 reais.


SOBRE AQUELES DO GRUPO(2):

Se você acredita em imparcialidade, escreva uma carta para o Papai Noel pedindo de presente o carro mais caro do ano. As chances de você receber uma informação imparcial pela imprensa são as mesmas de ganhar do Papai o seu carro. E isso nem tem a ver com o fato de a imprensa ser “mal-intencionada” (pelo menos nos casos em que ela descaradamente não mente).
Vou usar um exemplo. Supondo que eu esteja no governo de um estado e seja a maior acionista de um grande jornal do mesmo estado, não é de se esperar que as publicações do meu jornal sejam à minha administração um pouco mais favoráveis? Isso acontecia no Correio Braziliense durante as denúncias no Governo Arruda/Paulo Otávio. Nunca li tanto “suposto isso”, “suposta aquilo” em algumas reportagens (risos). Perverso? Não, até compreensível. Eu também não escolho a minha pior foto como foto principal do facebook. Mas o limite entre a dissimulação e a manipulação mentirosa e descarada em alguns meios é muito tênue. Quem não se lembra do caso da “bolinha de papel” nas últimas eleições? Sempre digo a meus alunos NUNCA COMPREM A PRIMEIRA VERSÃO. Desconfiem, indaguem sempre e se perguntem: A QUE INTERESSES ISSO SERVE?
Boa parte dos brasileiros só “escuta” o jornal, só lê as manchetes. É praticamente impossível desfazer o alcance de um “equívoco” de leitura (tantas vezes proposital) noticiado pela grande mídia.

Voltando à polêmica do livro, sempre depende do interesse, certo? Neste caso, eu sinceramente não tenho informações que me permitam saber qual. Mas sendo bem generalista: Eu quero um aluno que pense, que decida, que atue, que consiga assistir a um telejornal e perceber que aquele canal manipula, que a crítica do “comentarista estrela “é idiota, que a “informação imparcial” é mito e o interesse subjacente é quase sempre político-econômico, ou eu quero que um aluno que, revestido pelo seu trauma e por sua baixa autoestima, continue se julgando incapaz e pouco inteligente, caracterizando como “lindooooo” tudo aquilo que apareceu no PlimPlim?

Mas eu tenho esperanças, sabe? Tenho esperanças que, com a democratização da internet, possam chegar às pessoas informações e leituras que transcendam os 4 minutos editados pelo canal e dispostos no horário nobre. Tenho esperanças que ao assistirem a uma entrevista inteira, as pessoas consigam perceber que quando alguém retira uma declaração do contexto pode atribuir a ela qualquer tom.

Tenho esperanças. Tenho. Depende é da gente*.


[*Sim, eu podia (q vá pro espaço o futuro do pretérito, o hífen e o “para o”) ter usado nós do lugar do “a gente”, mas num tô a fim. Eu tbém podia ter usado “estou”. E evitado a contração. Usar uma forma ou outra não faz de mim uma pessoa mais ou menos inteligente só faz de mim uma pessoa atenta aos contextos em que utilizo essas formas linguísticas.]

Sugestão-recado ao grupo (2): Que coisa feia... A gente percebe. E, cada vez mais, a democratização do ensino superior e a democratização da internet farão com que mais e mais pessoas percebam. Pode demorar, mas é inevitável. Eu sei.

Elenita Rodrigues
  http://acasosafortunados.blogspot.com/2011/05/polemicas-o-mec-o-livro-e-dramatica-da.html

 Rosana dos Santos e Juliana Cardoso(não tem cadastro)

:): Grandes Pensadores ...

Claudia vai aí o pensamento de uma grande escritora, pra complementar o seu texto.
" o Senso comum deve ocupar um luga de destaque dentro das acadêmia, vist que é dele ue nasce a curiosidade epsteme..." Ariana Santana
kkkkkkk... foi uma bricadeinha, com o objetivo de de dizer que a sua postagem foi show, eu gostei.!!!
Ariana Santana

CRIANÇAS ESPECIAIS TAMBÉM PODEM BRINCAR COM BRINQUEDOS CONVENCIONAIS

As crianças especiais são reconhecidas por apresentarem desordens na aprendizagem, revelações de conduta, problemas emocionais, como também podem ter perda da função: psicológica, fisiológica ou anatômica. Além de carinho, paciência, atenção e amor, a criança especial precisa de diversão. Entretanto sabe-se que o a diversão tem um papel importante no processo do aprender, pois torna verdadeiro o conceito do aprender divertindo-se. Meninos e meninas portadoras de deficiências podem brincar com brinquedos comuns.
Contudo, os brinquedos:
- devem ser inquebráveis;
- não podem ter pontas;
- precisam ter cores vivas;
- possuírem partes móveis;
- serem sonoros;
- serem agradáveis ao contato;
- possuírem texturas diferentes.
Exemplos: Bola (sonora, de borracha macia e de meia) bicho (borracha e de pelúcia) peteca, pião, chocalho, boneca (macia ou de pano), jogos (memória, quebra-cabeça entre outros), fantoche, diversos brinquedos (tecido, madeira e borracha).
Cada brinquedo pode ter uma função ideal para cada caso. O estímulo à criança especial no emprego de brinquedos, pode expandir o seu potencial, se houver estimulação adequada a sua condição de desenvolvimento, às suas necessidades ajustadas e as suas possibilidades.
Algumas crianças com necessidades especiais podem ter dificuldades para manipular brinquedos convencionais, mas os pais ou educadores podem adaptar ou criar brinquedos apropriados para as mesmas.
É preciso incentivar sempre a criança especial a manusear brinquedos Nunca espere que uma criança especial faça isso sozinha, ajude-a. Sobretudo, não exija da criança especial atuação incompatível com a realidade e maturidade na qual se encontra.
Muitos pais e educadores sabem que os brinquedos são facilitadores do processo ensino-aprendizagem, mas precisam conhecer vários tipos de brinquedos, suas alternativas de exploração e suas especificidades.
É de fundamental importância que conheçam a vida social das crianças especiais com as quais se esteja convivendo. Assim poderão conhecer mais a condição da deficiência na sociedade como um todo, bem como o desenvolver da criança especial por meio da ludicidade. Desta maneira as crianças especiais, podem experimentar vivências lúdicas mais benéficas.
Segundo Oliveira (1984), a riqueza do brinquedo decorre de sua capacidade de instigar a imaginação infantil. O brinquedo auxilia a criança especial a sentir-se protegida e a ajuda muita a superar alguma dor,frustração ou perda.
Para Vygotsky (1988), o brinquedo é um estímulo a seu desenvolvimento físico e mental.
Podemos afirmar que o brinquedo contribui definitivamente no processo de socialização, desenvolvendo na criança especial a expressão e a comunicação verbal, podendo ainda responder às pretensões da sua qualidade de vida, podendo fazer com que a mesma participe prontamente dos processos da aprendizagem de maneira feliz, divertida e muito prazerosa. O brincar para a criança de acordo com Bomtempo & Zamberlan (1996), é necessário, uma vez que isto contribui para seu desenvolvimento bem como para sua capacidade de aprender e de pensar.
Sendo assim, para crianças especiais, devemos oferecer brinquedos que possibilitem atender adequadamente ás suas necessidades e possibilidades, com vistas a promover um cuidado eficaz ao seu desenvolvimento integral.

Angela Cristina Munhoz Maluf

Rachel Caroline
Obs:(Não está conseguindo postar)

O que vê quem não vê?


O termo deficiência pode ser entendido como todo e qualquer comprometimento que afeta a integridade da pessoa e traz prejuízos na sua locomoção, na coordenação de movimentos, na fala, na compreensão de informações, na orientação espacial ou na percepção e contato com as outras pessoas (Artigo 3o do Decreto federal nº 3.298/1999).

Deficiência Visual
É a perda ou redução da capacidade visual em ambos olhos em caráter definitivo e que não possa ser melhorada ou corrigida com uso de tratamento cirúrgico, clínico e/ou lentes.
O Decreto 3298 considera deficiente visual a pessoa que tem dificuldade ou impossibilidade de enxergar a uma distância de 6 metros o que uma pessoa sem deficiência enxergaria a 60 metros, após a melhor correção, ou que tenha o campo visual (área de percepção visual) limitada a 20%, ou com ambas as
situações.

http://helenadegreas.wordpress.com/2010/12/13/deficiencia-visual-um-pouco-sobre-o-assunto-projeto-carnaval-2011-so-nao-ve-quem-nao-quer/

Laís A. Sousa

Indisciplina na sala de aula

A indisciplina manifesta-se de diversas formas na vida de um estudante, e apesar da bagunça e do barulho não serem as únicas ocorrências, são as que mais se destacam na sala de aula. Quase sempre, a indisciplina passa a ser vista como um problema quando a sala começa “a pegar fogo”, ou seja, quando a indisciplina influencia o comportamento dos alunos e é percebida na “bagunça”, no “barulho”, na “falta de atenção” e de forma mais agravante na agressividade. Nessas horas é que realmente a preocupação do professor cresce e o faz pensar sobre a indisciplina do aluno.


Na verdade, a indisciplina poderia ser percebida muito antes de tornar-se um problema de comportamento como a bagunça ou a agressividade, que são formas de expressão da falta de respeito com os estudos. O não acompanhamento das aulas já é um forte indício de indisciplina. Se os professores partirem do princípio de que todo aprendiz quer aprender (mesmo quando essa vontade está escondida no consciente), então pode concluir o mínimo de organização e disciplina o aluno deve apresentar para alcançar o aprendizado. A ausência de disciplina e a falta de organização nos estudos começam a aparecer quando o aluno começa a perder a vontade intrínseca de querer aprender, que com o passar do tempo torna-se um enfado, ou seja, deixa de ser vontade e passa a ser quase um sacrifício.

O comportamento é fundamental para o bom desenvolvimento das aulas. Portanto, não pode ser desconsiderado pelos educadores, principalmente quando passa a ser um comportamento indisciplinado. Até porque, muitas vezes, a indisciplina pode ser um indício de alguma carência do aluno como, por exemplo, a falta de compreensão do conteúdo, que ocasiona a falta de interesse por estudar e continuar prestando atenção à aula. Sendo assim, o assunto indisciplina é muito relevante, pois interfere diretamente no processo de ensino-aprendizagem.

A indisciplina dos estudantes pode, posteriormente, ter conseqüências graves para a sociedade, entre elas, a violência, a criminalidade e até mesmo envolvimento com drogas.

Educadores, pais e alunos podem refletir sobre a indisciplina a partir dos mais variados enfoques, e por isso cada um certamente vai apresentar pontos de vista diferentes. A indisciplina do aluno pode ser conseqüência de diversas situações. E cada uma tem suas razões de existir e as situações devem ser sempre revistas pelos educadores (pais e professores).

Por Cláudia

Rachel Caroline Obs:(Não está conseguindo postar)

Grandes Pensadores ...

O conhecimento não pode ser uma cópia, visto que é sempre uma relação entre objeto e sujeito,Jean Piaget.
O saber que não vem da experiência não é realmente saber, Lev Vygotsky.
A educação é o estabelecimento de comportamentos que serão vantajosos para o indivíduo e para outros em algum tempo futuro, B.F.Skinner
Se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda, Paulo Freire.
Quem tem muito pouco, ou quase nada, merece que a escola lhe abra horizontes, Emília Ferreiro.
A tarefa do professor é preparar motivações para atividades culturais, num ambiente previamente organizado, e depois se abster de interferir, Maria Montessori.

  •  
Cláudia Magalhães

Para Refletir...

Ainda que Skinner considerasse importante levar em conta as diferenças entre os alunos de um mesmo professor, o behaviorismo se baseia fundamentalmente na previsibilidade das reações aos estímulos e reforços. Seus objetivos educacionais buscam resultados definidos antecipadamente, para que seja possível, diante de uma criança ou adolescente, projetar a modelagem de um adulto. Você considera importante como professor, saber de antemão exatamente o que deseja de seus alunos? É possível planejar o aprendizado em detalhes.


Cláudia Magalhães        

ELOGIE DO JEITO CERTO



“Recentemente, um grupo de crianças pequenas passou por um teste muito interessante. Psicólogos propuseram uma tarefa de média dificuldade, mas que as crianças executariam sem grandes problemas. Todas conseguiram terminar a tarefa depois de certo tempo. Em seguida, foram divididas em dois grupos.O grupo A foi elogiado quanto à inteligência. “Uau, como você é inteligente!”, “Que esperta você é!”, “Menino, que orgulho de ver o quanto você é genial!”... e outros elogios à capacidade de cada criança. O grupo B foi elogiado quanto ao esforço. “Menina,gostei de ver o quanto você se dedicou na tarefa!”, “Menino, que legal ter visto seu esforço!”, “Uau, que persistência você mostrou. Tentou, tentou até conseguir, muito bem!”...e outros elogios relacionados ao trabalho realizado e não à criança em si.
Depois dessa fase, uma nova tarefa de dificuldade equivalente à primeira foi proposta aos dois grupos de crianças. Elas não eram obrigadas a cumprir a tarefa, podiam escolher se queriam ou não, sem qualquer tipo de consequência. As respostas das crianças surpreenderam. A grande maioria das crianças do grupo A simplesmente recusou a segunda tarefa. As crianças não queriam nem tentar. Por outro lado, quase todas as crianças do grupo B aceitaram tentar. Não recusaram a nova tarefa. A explicação é simples e nos ajuda a compreender como elogiar nossos filhos e nossos alunos.
O ser humano foge de experiências que possam ser desagradáveis. As crianças “inteligentes” não querem o sentimento de frustração de não conseguir realizar uma tarefa, pois isso pode modificar a imagem que os adultos têm delas. “Se eu não conseguir, eles não vão mais dizer que sou inteligente.” As “esforçadas” não ficam com medo de tentar, pois mesmo que não consigam é o esforço que será elogiado. Sabemos de muitos casos de jovens considerados inteligentes não passarem no vestibular, enquanto aqueles jovens “médios” obtêm a vitória. Os inteligentes confiaram demais em sua capacidade e deixaram de se preparar adequadamente. Os outros sabiam que se não tivessem um excelente preparo não seriam aprovados e, justamente por isso, estudaram mais, resolveram mais exercícios, leram e se aprofundaram melhor em cada uma das disciplinas.
No entanto, isso não é tudo. Além dos conteúdos escolares, nossos filhos precisam aprender valores, princípios e ética. Precisam respeitar as diferenças, lutar contra o preconceito, adquirir hábitos saudáveis e construir amizades sólidas. Não se consegue nada disso por meio de elogios frágeis, focados no ego de cada um. É preciso que sejam incentivados constantemente a agir assim. Isso se faz com elogios, feedbacks e incentivos ao comportamento esperado. Nossos filhos precisam ouvir frases como: “Que bom que você o ajudou,você tem um bom coração”, “Parabéns, meu filho, por ter dito a verdade, apesar de estar com medo... você é ético”, “Filha, fiquei orgulhosa de você ter dado atenção àquela menina nova em vez de tê-la excluído, como algumas colegas fizeram...você é solidária”, “Isso mesmo, filho, deixar seu primo brincar com seu videogame foi muito legal, você é um bom amigo”. Elogios desse tipo estão fundamentados em ações reais e reforçam o comportamento da criança que tenderá a repeti-los. Isso não é “tática” paterna, é incentivo real.
Por outro lado, elogiar superficialidades é uma tendência atual. “Que linda você é amor”, “acho você muito esperto meu filho”, “como você é charmoso”, “que cabelo lindo”, “seus olhos são tão bonitos”. Elogios como esses não estão baseados em fatos, nem em comportamentos, nem em atitudes. São apenas impressões e interpretações dos adultos. Em breve, crianças como essas estarão fazendo chantagens emocionais, birras, manhas e “charminhos”. Quando adultos, não terão desenvolvido resistência à frustração e a fragilidade emocional estará presente.
Homens e mulheres de personalidade forte e saudável são como carvalhos que crescem nas encostas de montanhas. Os ventos não os derrubam, pois cresceram na presença deles. São frondosos, copas grandes e o verde de suas folhas mostra vigor, pois se alimentaram da terra fértil. Que nossos filhos recebam o vento e a terra adubada por nossa postura firme e carinhosa."


*Marcos Meier é mestre em educação, psicólogo, escritor e palestrante

O Novo Perfil do Professor :Diferentes demandas se apresentam hoje como essenciais para quem está à frente de uma sala de aula

  Não é mais possível dar aulas apenas com o que foi aprendido na graduação. Ou achar que a tecnologia é coisa para especialistas, trabalhar sozinho, sem trocar experiências com os colegas, e ignorar as didáticas de cada área são outras práticas condenadas pelos especialistas quando se pensa no professor do século 21. Planejar e avaliar constantemente, acreditando que o aluno pode aprender, por outro lado, é essencial na rotina dos bons profissionais.
  O perfil do profissional da educação está embasada em medidas governamentais e em pesquisas sobre a prática docente e o desenvolvimento infantil."Antes, achávamos que a principal função do professor era passar o conhecimento aos alunos. Jean Piaget, Lev Vygotsky e outros estudiosos mostraram que o que realmente importa é ser um mediador na construção do conhecimento e isso requer uma postura ativa de reflexão, auto avaliação e estudo constantes", diz Rubens Barbosa, da Universidade de São Paulo (USP). Tudo isso, é claro, porque os alunos também não são os mesmos de décadas atrás - longe disso. Com a democratização do acesso à internet, no fim dos anos 1990, passamos a ter nas escolas crianças que interagem desde cedo com as chamadas tecnologias de informação e comunicação, o que exige um olhar diferente sobre o impacto disso na aprendizagem. Finalmente, não podemos nos esquecer de que esses estudantes conectados têm uma relação diferente com o tempo e com o mundo, o que coloca desafios para a docência. A boa notícia é que há muita gente encarando esse novo mundo nas escolas. 

 Dayse Kássia
 
http://revistaescola.abril.com.br/formacao/formacao-continuada/novo-perfil-professor-carreira-formacao-602328.shtml

Ser professor é..




Ser professor
é professar a fé
e a certeza de que tudo
terá valido a pena
se o aluno sentir-se feliz
pelo que aprendeu com você
e pelo que ele lhe ensinou...

Ser professor é consumir horas e horas
pensando em cada detalhe daquela aula que,
mesmo ocorrendo todos os dias,
a cada dia é única e original...

Ser professor é entrar cansado numa sala de aula e,
diante da reação da turma,
transformar o cansaço numa aventura maravilhosa de ensinar e aprender...

Ser professor é importar-se com o outro numa dimensão de quem cultiva uma planta muito rara que necessita de atenção, amor e cuidado.

Ser professor é ter a capacidade de "sair de cena, sem sair do espetáculo".

Ser professor é apontar caminhos,
mas deixar que o aluno caminhe com seus próprios pés...


http://www.superfrases.com/article/profissoes/3444/

Laís A. Sousa

A Grande Marcha



Como tua vida que é individual, adquiria o valor mais elevado, o significado mais profundo ? Como seria menos desperdiçada ?

(Nietzsche, Shopenhauer)

Retirado de http://filosofeducar.blogspot.com/2011/06/etimologia-da-palavra-amor.html.

Esse blog é de um aluno de Pedagogia daí do nosso Centro, Tiago Alex. Pra quem não conhece, vale a pena dar uma olhada : )

Tainá.
EU NÃO SOU VOCÊ, VOCÊ NÃO É EU
(Madalena Freire)

Eu não sou você
Você não é eu
Mas sei muito de mim
Vivendo com você.
E você, sabe muito de você vivendo comigo?
Eu não sou você
Você não é eu.
Mas encontrei comigo e me vi
Enquanto olhava pra você
Na sua, minha, insegurança
Na sua, minha, desconfiança
Na sua, minha, competição
Na sua, minha, birra infantil
Na sua, minha, omissão
Na sua, minha, firmeza
Na sua, minha, impaciência
Na sua, minha, prepotência
Na sua, minha, fragilidade doce
Na sua, minha, mudez aterrorizada
E você se encontrou e se viu, enquanto olhava pra mim?
Eu não sou você
Você não é eu.
Mas foi vivendo minha solidão que conversei
Com você, e você conversou comigo na sua solidão
Ou fugiu dela, de mim e de você?
Eu não sou você
Você não é eu
Mas sou mais eu, quando consigo
Lhe ver, porque você me reflete
No que eu ainda sou
No que já sou e
No que quero vir a ser…
Eu não sou você
Você não é eu
Mas somos um grupo, enquanto
Somos capazes de, diferenciadamente,
Eu ser eu, vivendo com você e
Você ser você, vivendo comigo


Cada individuo é único, mas ele não se basta, por isso que a partir da interação e da coletividade TODOS tornam-se UM e esse UM torna-se TODOS. Essa é, na minha opinião, a principal importância da coletividade: a construção do indivíduo como cidadão.

Rosiane Alves

Relação desenvolvimento e aprendizagem para Vygotsky

Desenvolvimento proximal e desenvolvimento real para Vygotsky.
 Para Vygotsky (1987), a zona de desenvolvimento proximal representa o espaço entre o nível de desenvolvimento real., ou seja, aquele momento, onde a criança era apta a resolver um problema sozinha, e o nível de desenvolvimento potencial, a criança o fazia com colaboração de um adulto ou um companheiro. A referência da zona de desenvolvimento proximal implica na compreensão de outras ideias que completa a ideia central, tais como:
a) O que a criança consegue hoje com a colaboração de uma pessoa mais especializada, mais tarde poderá realizar sozinha.
b) A criança consegue autonomia na resolução do problema, através da assistência e auxílio do adulto, ou por outra criança mais velha formando uma construção dinâmica entre aprendizagem e desenvolvimento.
c) Segundo Vygotsky (1987), a aprendizagem acelera processos superiores internos que são capazes de atuar quando a criança interagida com o meio ambiente e com outras pessoas. O autor ressalta a importância de que esses processos sejam internalizados pela criança.


Cláudia Magalhães

 

A interação social no desenvolvimento e aprendizagem escolar para Vygotsky

Para Vygotsky (1998), a aprendizagem não começa na escola, que toda situação de aprendizagem escolar se depara sempre com uma história de aprendizagem prévia. Vygotsky coloca que no cotidiano das crianças, elas observam o que os outros dizem, porque dizem, o que falam, porque falam, internalizando tudo o que é observado e se apropiando  do que viu e ouviu. Recriam e conservam o que passa ao seu redor. Em função desta constatação, Vygotsky afirma que a aprendizagem da criança se dá pelas interações com outras crianças de seu ambiente, que determina o que por ela é internalizado. A criança vai adquirindo estruturas linguísticas e cognitivas, mediado pelo grupo.

 Postado por Cláudia Magalhães  / Pedagogia

A escola em 1969, A em 2009

Reflitam um pouco:
"Todos pensam em deixar um mundo melhor para seus filhos. Quando
pensaremos em deixar filhos melhores para o planeta?"
Uma criança que aprende o respeito e a honra dentro da própria casa recebe
o exemplo dos seus pais torna-se um adulto comprometido em todos os aspectos,
respeitando o meio ambiente e as pessoas. Propiciando assim, uma convivencia mais
harmonica entre todos.

Shenia



Professores não acreditam que alunos irão concluir ensino médio

Vejam esta reportagem que achei na folha.com.
Pode até ser realidade, mas se nem os professores acreditam que sua prática pode gerar bons frutos quem mais acreditará?

http://www1.folha.uol.com.br/saber/924706-professores-nao-acreditam-que-alunos-irao-concluir-ensino-medio.shtml
Atualmente temos vivido uma noção perdida de prática educativa. Professores, pais, alunos (as) e até os órgãos competentes não entendem educação como processo de ensino-aprendizagem e não vêem a escola, a sala de aula como um lugar onde esse processo deve ser desenvolvido. Vêem a escola apenas com o olhar burocrático. O professor é visto como o protagonista na transmissão de saber e o (a) aluno (a) um recipiente vazio, prestes a ser preenchido pelo “mestre”.
Nesse processo de mera transmissão do conhecimento o (a) docente deixa de proporcionar aos seus alunos e alunas a oportunidade de serem sujeitos autônomos, capazes de absorver o conhecimento que lhes foi dado e em cima dele construir suas próprias ideias. Sendo a educação elaborada desta forma, seu “produto” nada mais será do que um cego a ser guiado. Digo cego, pois, o (a) aluno (a) enxergará o mundo com os olhos dos outros uma vez que não será capaz de pensar. Os (as) alunos (as) produtos dessa educação são confundidos certas vezes com maquinas que apenas reproduzem o que já lhe foi reproduzido um dia.
No seu processo de aprendizagem, o (a) aluno (a) está em constante construção –desconstrução – reconstrução de saberes. Daí culminasse dizer que a “aprendizagem é um processo contínuo e duradouro” (Demo).
Mas para que os (as) alunos (as) busquem uma autonomia é necessário que eles (as) sejam de alguma forma estimulados (as), não só pelo professor como também para todos que os rodeiam. Os (as) alunos (as) precisam de um ambiente favorável, uma vez que como afirma Vygotsky a cultura é parte da natureza de cada pessoa. Sem este estímulo o (a) aluno (a) é quase que incapaz de tornar-se um ser autônomo.

Rosiane Alves

UM PAÍS PARA EVOLUIR - MÁRIO JORGE

Um país para se evoluir necessita de uma educação de qualidade como um dos principais pontos de partida, fato esse considerado meio que distante da realidade brasileira. Apesar disso, o Governo Federal, com o objetivo de melhorar a educação no Brasil, criou o PDE (Plano de Desenvolvimento da Educação).
A principal finalidade do PDE é oferecer educação básica de qualidade a todos os indivíduos, realizando investimentos na educação profissional e superior, visto que apresentam uma relação íntima, envolvendo um trabalho em conjunto, no qual pais, alunos, professores e gestores visem o sucesso e a permanência do aluno na escola.
A própria LDB – 9394/96(Lei de Diretrizes e Base), sancionada pelo presidente Fernando Henrique Cardoso juntamente com o ministro da educação, Paulo Renato, em 1996, foi baseada no princípio do direito universal que rege a educação para todos, bem como uma série de mudanças voltadas para a garantia da educação básica.
Um país não progride com uma educação precária, todas as pessoas necessitam e devem ter acesso à, no mínimo, educação básica. A aprovação da LDB (Lei de Diretrizes e Bases da Educação) propiciou grande avanço no sistema de educação de nosso país, visando que a escola se torne um espaço de participação social, valorizando a democracia, o respeito, a pluralidade cultural e a formação do cidadão, dando mais vida e significado para os estudantes.
O PDE surgiu com várias intenções, uma delas foi a inclusão das metas de qualidade para a educação básica, fazendo parte destas, no sentido de contribuir para que escolas e secretarias de educação se organizem no atendimento aos alunos e, conseqüentemente, criem uma base sobre a qual as famílias possam se apoiar para exigir uma educação de maior qualidade.
O plano ainda prevê acompanhamento e assessoria aos municípios com baixos indicadores de ensino, em busca de melhorar a educação no país.
Vale ressaltar que a evolução da educação no país requer a participação intensiva da sociedade e um plano de desenvolvimento para educação que deve ser mais que um projeto voltado para nível de governo federal, mas sim de todos os cidadãos que fazem parte da nação.
Educação é direito de todos e lutar por ela deve ser uma obrigação de todos os cidadãos.
Um país precisa do seu povo como companheiro fiel na luta por melhores oportunidades e condições de vida, principalmente em busca da redução da taxa de analfabetismo, que segundo pesquisas tem apresentado uma queda constante, porém, ainda presente em grande número e em diversas regiões do país.
Por Elen Cristine M. Campos Caiado
Graduada em Pedagogia e Fonoaudiologia
Equipe Brasil Escola

EDUCAÇÃO NO BRASIL - MÁRIO JORGE

Introdução 
Atualmente, considera-se a educação um dos setores mais importantes para o desenvolvimento de uma nação. É através da produção de conhecimentos que um país cresce, aumentando sua renda e a qualidade de vida das pessoas. Embora o Brasil tenha avançado neste campo nas últimas décadas, ainda há muito para ser feito. A escola (Ensino Fundamental e Médio) ou a universidade tornaram-se locais de grande importância para a ascensão social e muitas famílias tem investido muito neste setor.
Quadro da educação nacional 
Pesquisas na área educacional apontam que um terço dos brasileiros frequentam diariamente a escola (professores e alunos). São mais de 2,5 milhões de professores e 53 milhões de estudantes matriculados em todos os níveis de ensino. Estes números apontam um crescimento no nível de escolaridade do povo brasileiro, fator considerado importante para a melhoria do nível de desenvolvimento de nosso país.
Uma outra notícia importante na área educacional diz respeito ao índice de analfabetismo. Recente pesquisa do PNAD - IBGE mostra um queda no índice de analfabetismo em nosso país nos últimos dez anos (1992 a 2002). Em 1992, o número de analfabetos correspondia a 16,4% da população. Esse índice caiu para 10,9% em 2002 e para 10% em 2008. No ano de 2009 verificou-se uma nova queda para 9,7%. Ou seja, um grande avanço, embora ainda haja muito a ser feito para a erradicação do analfabetismo no Brasil. Outro dado importante mostra que, em 2006, 97% das crianças de sete a quatorze anos frequentavam a escola.
Esta queda no índice de analfabetismo deve-se, principalmente, aos maiores investimentos feitos em educação no Brasil nos últimos anos. Governos municipais, estaduais e federais tem dedicado uma atenção especial a esta área. Programas de bolsa educação tem tirado milhares de crianças do trabalho infantil para ingressarem nos bancos escolares. Programas de Educação de Jovens e Adultos (EJAs) também tem favorecido este avanço educacional. Tudo isto, aliado a políticas de valorização dos professores, principalmente em regiões carentes, tem resultado nos dados positivos.
Outro dado importante é a queda no índice de repetência escolar, que tem diminuído nos últimos anos. A repetência acaba tirando muitos jovens da escola, pois estes desistem. Este quadro tem mudado com reformas no sistema de ensino, que está valorizando cada vez mais o aluno e dando oportunidades de recuperação. As classes de aceleração também estão dando resultados positivos neste sentido. 
A LDB (Lei de Diretrizes e Bases da Educação), aprovada em 1996, trouxe um grande avanço no sistema de educação de nosso país. Esta lei visa tornar a escola um espaço de participação social, valorizando a democracia, o respeito, a pluralidade cultural e a formação do cidadão. A escola ganhou vida e mais significado para os estudantes.
Outros dados da educação brasileira:
Taxa de abandono (2008): 4,8%
Taxa de reprovação (2008): 12,1%

Taxa de aprovação (2008): 83,1%
Matrículas na Educação Básica (2009): 52.580.452

Fonte: MEC/Inep


Como deveria ser o currículo para formar professores competentes?

Segundo a educadora Guiomar Namo de Mello, em entrevista para a revista Nova Escola (2004), em resposta à pergunta: Como deveria ser o currículo para formar professores competentes?

A educadora responde que “Ninguém ensina o que não aprendeu”. Por isso o curso de formação precisa dar peso grande ao conteúdo que vai ser ensinado.

Na tentativa de refletir mais sobre a arte de ensinar vejamos esse poema simples e lindo que diz muita coisa:

Professora

“Ela entrou na sala e viu rostos que perscrutavam, indagavam, esperavam. Começou a dizer-lhes de suas férias, mas descobriu que esta palavra ali era oca e distante. Abriu então seu caderno de planos e quis ensinar-lhes as maravilhas que ali escrevera, mas aprendeu que menino triste não tem gosto para manejar o lápis. Quis ensinar uma canção, mas o canto se tornou um choro. Tentou contar-lhes de bruxas, de fadas, de gigantes, mas percebeu que não crêem em fantasias os meninos que vivem da verdade de cada dia.

Por um instante a professora não encontrou o que fazer. Então, apenas sorriu para a classe e decidiu dar-lhes primeiro a sua amizade.

Depois, mansamente, lhes daria ensinamentos.

Bem-aventurada!”

(Maria Célia Bueno) do livro: A educação pré-escolar, Marieta Lúcia Machado Nicolau.

Laís A. Sousa

Variação Linguistica

Assunto da mídia:
Gente, esse é o tipo de coisa que a sociedade quer fingir que não existe, no qual os Lingístas Tradicionais ... não reconhecem, e isso só faz gerar mais preconceitos sociais ... que pode gerar a tal da intransigência, que é a causa de grandes violências, pois vejam como algo tão simples podem se tornar em um holocasto social!!!
Ariana Santana.
Variação Linguistica
A variação de uma língua é o modo pela qual ela se diferencia, sistemática e coerentemente, de acordo com o contexto histórico, geográfico e sócio-cultural no qual os falantes dessa língua se manifestam verbalmente
Toda língua possui variações linguísticas. Elas podem ser entendidas por meio de sua história no tempo (variação histórica) e no espaço (variação regional). As variações linguísticas podem ser compreendidas a partir de três diferentes fenômenos.
1) Em sociedades complexas convivem variedades linguísticas diferentes, usadas por diferentes grupos sociais, com diferentes acessos à educação formal; note que as diferenças tendem a ser maiores na língua falada que na língua escrita;
2) Pessoas de mesmo grupo social expressam-se com falas diferentes de acordo com as diferentes situações de uso, sejam situações formais, informais ou de outro tipo;
3) Há falares específicos para grupos específicos, como profissionais de uma mesma área (médicos, policiais, profissionais de informática, metalúrgicos, alfaiates, por exemplo), jovens, grupos marginalizados e outros. São as gírias e jargões.
http://ehnoixquitah123.blogspot.com/2010/11/variacao-de-uma-lingua-e-o-modo-pela.html
Ariana Santana

Comentário sobre o video da DEFICIÊNCIA.

Adorei o video de Mario Quitanda que se refere a deficiência... Esse tipo de trabalho nos chama a atenção, para que nós... possamos sair do nosso mundinho de "conforto" e possamos passar a observar e a olhar o outro com um olhar singular, que nos revele o verdadeiro motivo pelo qual persistimos em estudar e acreditamos em envestimentos na EDUCAÇÃO... que é acrença de que tudo vai mudar/ vai se transformar/ vai melhorar... enfim, iremos nos tornar de fato sujeitos éticos e solidários!!!
Ariana Santana
Há escolas que são gaiolas e há escolas que são asas.

Escolas que são gaiolas existem para que os pássaros desaprendam a arte do vôo. Pássaros engaiolados são pássaros sob controle. Engaiolados, o seu dono pode levá-los para onde quiser. Pássaros engaiolados sempre têm um dono. Deixaram de ser pássaros. Porque a essência dos pássaros é o vôo.

Escolas que são asas não amam pássaros engaiolados. O que elas amam são pássaros em vôo. Existem para dar aos pássaros coragem para voar. Ensinar o vôo, isso elas não podem fazer, porque o vôo já nasce dentro dos pássaros. O vôo não pode ser ensinado. Só pode ser encorajado.
Rubem Alves

Que vocês possam refletir em que tipo de escola vocês querem atuar.
Beijos e até a proxima
MILENA MAYARA

Lev Vigotsky - Breve Vida e Teoria



Achei o vídeo bastante explicativo. Ele faz um breve resumo sobre a teoria de Vygotski de maneira clara. Recomendo que assistam e percebam a sua íntima relação com os textos 9 e 10 de Vygotski (2000).

Por Rosiane Alves
Para Vygotsky, a aprendizagem sempre inclui relações entre pessoas. Ele defende a idéia de que não há um desenvolvimento pronto e previsto dentro de nós que vai se atualizando conforme o tempo passa. O desenvolvimento é pensado como um processo, onde estão presentes a maturação do organismo, o contato com a cultura produzida pela humanidade e as relações sociais que permitem a aprendizagem. Ou seja, o desenvolvimento é um processo que se da de dentro para fora. A partir daí, é possível dizer que entre o desenvolvimento e as possibilidades de aprendizagem há uma estreita relação, a qual é analisada segundo dois eixos. Por um lado, existe um desenvolvimento atual da criança, tal como pode ser avaliado por meio de provas padronizadas ou não, observações, entrevistas etc. por outro lado, existe um desenvolvimento potencial, que pode ser calculado a partir daquilo que a criança é capaz de realizar com a ajuda de um adulto num certo momento, e que realizará sozinha mais tarde. Esta capacidade potencial, mais ou menos atualizável durante uma interação. Dessa maneira, a aprendizagem se torna um fator de desenvolvimento.


Pequeno fragmento de um texto retirado do site abaixo
http://www.euniverso.com.br/Psyche/Psicologia/geral/aprendizagemvygotsky.htm

Por Rosiane Alves

Para refletir...





Estudar te chateia? A eles não.

Fonte: E-mail de desconhecido.


Almerinda Araújo.

CONTRIBUIÇÕES DE VIGOTSKI PARA A EDUCAÇÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

http://www.ned.ufsc.br/textos/Texto%2016%20-%20NUERNBERG.pdf

Viviane

Deficientes???



"Deficiência é não enxergar nas pessoas, as sua verdadeiras eficiências. "Ronne Paulo de Magalhães

Ser diferente é normal!!!

Suspenso "Kit homofobia"

Depois de se reunir na quarta-feira (24/05/2011) com deputados da chamada bancada religiosa, o governo decidiu suspender todas as produções que estavam sendo editadas pelos Ministérios da Saúde e da Educação sobre a questão da homofobia. De acordo com o ministro Gilberto Carvalho, da Secretaria-Geral da Presidencia da República, a presidenta Dilma Rousseff assistiu vídeos do chamado "kit homofobia" e não gostou do tom das produções. "A presidenta decidiu suspender esse material e suspender também a distribuição", disse o ministro, após se reunir com cerca de 30 deputados. De acordo com Gilberto Carvalho, todo material sobre "costumes" será produzido após consulta a setores da sociedade interessados, inclusive a bancada religiosa. "A presidenta se comprometeu que todo material sobre costumes será feito a partir de consultas mais amplas à sociedade. "Nós entendemos que é importante que para antingir seu objetivo, esse material seja fruto de uma construção coletiva", disse Carvalho.

Shenia Santos

Questões de direitos e deveres.

Mais uma vez venho relatar algo inusitado que aconteceu comigo...
Estava eu, no ônibus voltando pra casa quando uma idosa entra pela porta do meio o ônibus estava lotado e ninguém cedeu o lugar a ela, que ficou parada sem nada fazer.
Eu a chamei e dei meu lugar, para minha surpresa ela negou alegando que não estava no direito de ocupar um lugar que não a pertencia, já que não paga passagem e tem que sentar na área reservada aos idosos.
Fiquei “revoltada” com tamanha inocência e fiquei em pé quase a “obrigando” a sentar,mas de nada adiantava,pois estava “consciente” de que era seu dever não ocupar um espaço destinado aos que pagaram passagem. Como não sou de dar o “braço a torcer” comecei a conversar com a simpática senhora alegando que para mim é um prazer ceder um lugar a alguém mais velho e mesmo tendo pago a passagem eu é que estava na minha obrigação como cidadã deixar minha “comodidade” de lado e garantir a sua.
- Quando estou na parte reservada e vejo um jovem sentado, ai sim reclamo por que estou no meu direito, mas aqui vocês que devem sentar pois estão contribuindo, pagando a passagem, disse a senhora.
- Se a EMTU tivesse a intenção em reservar um lugar cômodo a vocês, colocaria ônibus com uma área para idosos e deficientes mais ampla, pois os coletivos lotam rápido de modo que vocês ficam a viagem inteira em pé. A senhora acha realmente justo, passar a vida inteira contribuindo com esse país, pagando impostos abusivos e agora na velhice que deveria se beneficiar tem que receber essa aposentadoria vergonhosa e nem sequer ter o direito de ocupar uma cadeira em um ônibus? Acha mesmo? Perguntei.
Com a cabeça baixa responde:
- Realmente olhando por esse ângulo você tem razão, é que estamos tão acostumados em ver os governantes jogando na nossa cara só os deveres que por um momento ou até mesmo por uma vida inteira esquecemos que temos nossos direitos. Agora sim, eu sei que posso sentar aqui tranqüila por não tirar o lugar de alguém.
- Então sente-se e faça valer seu direito, a falei com todo orgulho do mundo, pois fiz o que deveria ser feito.
Espero que essa minha experiência faça abrir a consciência de todas (os) vocês, não basta ser consciente dos direitos e deveres e de fato não os praticamos.

Paz,amor e ótimas energias.

Almerinda Araújo.

Isso é só o fim.

Se o chão abriu sob os seus pés
E a segurança, ela sumiu da faixa
Se as peças estão todas soltas
E nada mais encaixa
Oh, crianças isso é só o fim
Isso é só o fim
Isso é só o fim
Algo que você não identifica
Insiste em lhe atormentar
Você implora por proteção
Não sabe como vai acabar
Oh, crianças isso é só o fim
Isso é só o fim
Isso é só o fim
Esse calor insuportável
Não abranda o frio da alma
A vida já não é mais tão segura
E nada mais lhe acalma
Oh, crianças isso é só o fim
Isso é só o fim
Isso é só o fim
Sempre acorda angustiado
E apressado você vai pra rua
Mas mesmo assim acordado
O pesadelo continua
Oh, senhoras isso é só o fim
Isso é só o fim
Isso é só o fim
Oh, senhores isso é só o fim
Isso é só o fim.

Essa composição de Marcelo Nova, da banda Camisa de Vênus, reflete um pouco do sofrimento das milhares de crianças de e na rua de sofrem diariamente com a falta de segurança. Que possamos como futuras (os) educadoras(es) refletir acerca desse problema que atinge nossas crianças e adolescentes e que lutemos para que essa situação possa ser revertida de maneira positiva.

Almerinda Araújo.

Um Tapinha dói e traz consequencias

das aula hj?
b: é né!
e: eita é
srs
sobre o q
?
b: nada!
ahsuahushaush'
eu: oxi
b: vo deixar eles jogando
aqui
tá bom d+
ahsuahsuh'
e:nossa ta ensinando bem em
b: huahsuahsuashuh'
e: faz o seguinte, faz com eles tipo um campeonato de jogo escolhes um jogo q dá tar ter duas pessoas
jogando
de luta
ou nem de luta
b: hum!
e: um jogo interativo
b: hum!
assim!
posso fazer isso
é legal e pa'h
já tentei várias vezes
fazer campeonatos de jogos aqui
mas não deram muito certo não

os alunos só querem jogar do jeito deles
eles não sabem o que é regras não, em casa também fazem o que querem com o pai e a mãe, chega aqui quer fazer também!
e: ai vc como professor deles deve dar limites e ensiná-los as regras dos jogos
b: é né!
tem que ter essa parte --'
e: pois é, vc q deve "concertar" esse meninos q são "desconcertados" pelos pais consertar
desconsertar
b: ah se eu pudesse dar umas tapinhas
e: aff
tapinhas ñ ajuda
só piora
ele se revoltam mais
b: eu discordo
dependendo do momento
é necessário!
e: me diz em q momento é necessario
?
b: por ex
seu filho é desbocado
o que custa dar uma tapinha na boca
pra ele sempre lembrar
08:51 se filho lhe dá um murro
com raiva
o que custa dálhe uma tapinha
pra ele ver que você te, bem mais força
tem
*
ah min eu fui criado assim!
vai eu contra minha mãe!
uma vez fuid ar um murro no meu irmão
ele me deu uma tapa que eu voeei
numfoi bem feito!
até hoje
eu me lembro

é diferente de espancar
existem as tapinhas de correção
agora um pai pegar um cinturão
e dar no filho...
isso sim tem que se observar
e: ah bom agora sim gostei (da parte do cinturao)
=)
b: mas é
sim
mas veja
depende tbm
do filho
viu
que você sabe que tem menino que é ruim
e que simplesmente acaba com qualquer relação
familiar

tipo eu!
Eu era o cão

kkk'
levei tanta piza
ai te faço um pergunta
e: mas quem o transforma em ruim? o pai, a mae , o meio em q a criança vivi
b: claro
o próprio pai
e: eu axo ne
b: mas é
por isso que a criança tem que ser educada no berço
é a fase onde ela aprende
ver
e: pois é
b: te faço uma pergunta
u: faz[[
b: nós que somos da geração da piza ainda
o que temos de diferente desses meninos de hoje
que se levarem uma tapa, correm pra polícia
e denunciam o pai?
minha mãe foi da época da palmatória
e do milho
e tá ai com 75 anos
de idade
sem nenhum defeito
educou os filhos dela
tudo encaminhados
só eu que sou o caso perdido
e ai?
o que esses meninos de hoje tem de diferente?
que não podem levar um grito
e alegam que foram constrangidos
pelo próprio pai e mãe
...
pensa nisso

e: pq hj as crianças estão rodiadas de informações, só q é o seguinte dá-se a informação porem n~se explica as causas e conseguencias do ato de tal informação. qualquer criança hj tem acesso a todo tipo de meio de comunicação sem ennhuma vigilancia. dá muita "liberdade" de colher conhecimento porém q tipo de conhecimento está sendo colhido
entendes
?
ou compliquei um pouco

?





espero q voces reflitam sobre esse tapinha. reflitam sobre o título deste post e sobre o que voces falam em sala de aula, postam e comentam aqui no blog e suas atitudes no dia-a-dia.

ASS: Thamires Assunção

VIGOTSKI

Para Vigotsky, as emoções são sistemas de reações prévias que comunicam ao organismo o futuro imediato do seu comportamento. "Se fazemos alguma coisa com alegria as reações emocionais de alegria não significam nada senão que vamos continuar tentendo fazer a mesma coisa. Se fazemos algo com repulsa isto significaque no futuro procuraremos por todos os meios interromper essas ocupações"( Vigotski, 2004a, p. 139)



Silvania Jesuina

MOLEQUE BABACA


Achei esse vídeo legal e interessante, ver o ponto de vista sobre a educação de um outro 'ângulo' faz a gente pensar no que realmente é 'necessário' aprender e também repensar a opinião dos alunos sobre o que eles querem conhecer, saber, pesquisar, etc. :)

Laís Ranielle S. Andrade

A PALMADA EDUCA


Num dia ensolarado, no ano de 2009, de repente, um neto chutando as canelas de seu avô porque ele disse que não tinha dinheiro para comprar um determinado brinquedo. Então o idoso gritou:

- Meu neto , por favor , se comporte ...

- Senão darei umas boas palmadas !

Na esquina, estava passando uma perua , toda enfeitada , que ao ver a cena, saiu correndo em direção ao ancião e exclamou:

- Se o senhor bater neste garoto , eu chamarei a polícia !

- Olhe o tamanho dele e olhe o seu!

O velhinho sentiu – se envergonhado , pegou o menino pela mão e continuou o seu caminho .

Naquele instante um rapaz com pena do idoso , vai em direção da mulher braba e pergunta :

- Qual é a profissão da senhora ?

Ela respondeu : - Psicóloga !

Então o rapaz disse : - Só poderia ser !

- Se bem que eu tenho nada contra psicólogas ...

- Mas a senhora não ficou com pena daquele ancião ?!

- Sabia que o neto faltou com o respeito com ele e por isto o velhinho quis dar umas boas palmadas educativas ?

A psicóloga , dando as costas para ele, gritou : - Gosta de velhos ?!

- Então leve para casa !

O rapaz berra: - Continue incentivando pequenos marginais como este , que daqui a pouco a senhora pode ser assaltada , ou , morta por um !

Luciana do Rocio Mallon

http://textolivre.com.br/artigos/21127-reflexoes-sobre-a-palmada-educativa

Laís A. Sousa